Citado em golpe de pirâmide financeira de R$ 200 milhões já foi condenado por crime sexual

Esta postagem foi atualizada em 12 de setembro de 2018

Um dos suspeitos de participação em um golpe financeiro de R$ 200 milhões já foi condenado por cometer um crime sexual cuja vítima era uma adolescente. Atualmente, ele continua a fazer vídeos em que promove investimentos em bitcoins , uma criptomoeda.

No último dia 28 de maio, o UOL divulgou um documento do MP-RS (Ministério Público do Rio Grande do Sul) que lista possíveis líderes da D9 Clube de Empreendedores , empresa criada pelo “empreendedor digital ” Danilo Santana para lesar dezenas de milhares de investidores no Brasil e no exterior. O documento faz referência a Léo Trajano, cujo nome completo é Leandro Siqueira Trajano, que se apresentava como “comunicador” e “diretor de marketing da D9”, conforme relatos de investidores e vídeos disponíveis na internet.

Na sexta-feira (8), Léo Trajano fez contato com a reportagem, por meio do aplicativo WhatsApp (que impede a gravação do diálogo telefônico). O UOL tentava entrevistá-lo desde o final de maio.

Ele negou que tivesse cometido o crime sexual pelo qual foi condenado. “Fui condenado à revelia”, afirmou. Ele disse também que trabalhou como comunicador para a D9, que não atuou na captação de investidores e que foi lesado por Danilo Santana. “Perdi mais de R$ 20 mil como investidor . Não tinha conhecimento de que se tratava de um golpe financeiro, tive minha credibilidade comprometida. Eu o estou processando por danos morais e de imagem”, afirmou (leia mais abaixo). Leia mais:

Condenação por crime sexual

A trajetória Léo Trajano em processos judiciais começou antes de seu envolvimento no golpe financeiro da D9.

Léo Trajano foi condenado por crime sexual cometido contra uma adolescente Documentos do STJ (Superior Tribunal de Justiça) e das Justiças estaduais do Rio de Janeiro e do Ceará revelam que ele foi condenado a seis anos por um crime de natureza sexual, cuja vítima era uma adolescente.

O caso aconteceu no estado do Rio de Janeiro no ano de 2003. Trajano tinha pouco mais do que 30 anos de idade.

Ao analisar um recurso à condenação em primeira instância, desembargadores da 3ª Câmara Criminal do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) […]

LEIA TAMBÉM:  MP processa quatro empresas por suspeita de pirâmide financeira na Paraíba

 

Ben Popov

Growth Hacker, Crypto Investor e Estrategista de Marketing Digital com mais de 18 anos de experiência. Fundador da AulaPlus - Marketing na Era Digital e BlasterPhone Telecomunicações. Ben é "importado" da Bulgária e mora no Brasil desde 2000.

Inscreva-se
Notificar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments