Como não cair em golpes ao investir em Bitcoin

  • por

Esta postagem foi atualizada em 20 de fevereiro de 2021

 

O Bitcoin é uma moeda digital que vem apresentando grande crescimento desde o seu lançamento em 2009. Inspiradas em sua tecnologia, diversas criptomoedas também foram criadas desde então. Com a popularidade do Bitcoin e dessas outras moedas aumentando, muitas pessoas sentem vontade de começar a investir no mercado cripto.

Por trás do Bitcoin existe uma tecnologia muito segura, tendo sido a segurança nas transações um dos pilares e principais incentivos da sua criação. Apesar disso, por ter um alto valor de mercado, criminosos não medem esforços em golpes que muitas vezes se apoiam na falta de cuidado dos próprios usuários. Pessoas mal intencionadas também se aproveitam de discursos e promessas de lucros altos e fáceis para aplicar esses golpes.

Quando estamos falando de investimentos, é preciso ter a consciência de que não existem caminhos curtos. Assim como no mercado financeiro, investir em criptomoedas requer dedicação. É preciso se educar, buscar informações constantemente, acompanhar a cotação do Bitcoin todo dia e estar atento às notícias. Com isso, é realmente possível ter retornos muito bons.

Sendo assim, antes de entrar nesse mercado, é importante conhecer alguns dos golpes cibernéticos mais comuns. Ao saber identificá-los, você evita o risco de perder o seu patrimônio.

 

Pirâmide financeira: o modelo insustentável

Esse esquema criminoso tem como base o recrutamento progressivo de pessoas. São convites para participar de um modelo de negócio no qual é necessário um investimento inicial para entrar. Depois disso, você precisa continuar convidando pessoas para também participarem.

Ao indicar novos participantes, acontece a remuneração, que vem justamente da taxa que estes estão pagando para entrar. Nesse golpe, existe a promessa de retornos fáceis e garantidos. Na realidade, o que acontece é que com a entrada de novos membros, o dinheiro vai subindo para aqueles primeiros vendedores, os que estão no topo da pirâmide.

Já os participantes mais recentes dependem da indicação de novos membros. Quando isso não é mais possível, em algum momento a pirâmide entra em colapso e os investidores saem prejudicados.

Esse é um velho truque que já acontece há décadas no mundo. Alguns golpistas trouxeram essa prática para o mercado das criptomoedas e criaram pirâmides de Bitcoin. Nessas situações, os esquemas prometem lucros garantidos e o pagamento em criptomoedas por indicação de membros. Tome cuidado com esse tipo de convite e discursos de garantias de lucros desproporcionais, pois esta fraude só traz prejuízos.

LEIA TAMBÉM:  As Semelhanças e Diferenças Entre a Negociação de Criptoativos e Forex

 

Criptomoedas falsas: um golpe para atrair investidores

A partir de um marketing forte, golpistas divulgam criptomoedas falsas. Com isso, eles atraem investidores e ficam com todo este dinheiro. Enquanto isso, os investidores não têm nenhum retorno e saem prejudicados, já que adquiriram moedas digitais que na realidade nunca existiram.

Muitas vezes, para passar maior credibilidade, os golpistas nomeiam a criptomoeda falsa a partir de alguma outra criptomoeda famosa, alterando apenas alguma parte do nome. Junto a isso, também criam websites para a moeda, a registram em sites agregadores de preço e fazem uma intensa divulgação.

Uma fraude mundial que ficou muito conhecida entre o mercado de criptomoedas foi a da moeda búlgara OneCoin. Muitos compradores investiram grandes quantidades de dinheiro na criptomoeda falsa e caíram no golpe, que fez vítimas até no Brasil.

 

Phishing: cuidado com e-mails e mensagens

O phishing é um golpe de roubo de identidade. Os golpistas falsificam e-mails, mensagens de celular e sites com a intenção de roubar dados de pessoas e empresas. Ao acreditarem que aquela mensagem é genuína, as pessoas voluntariamente preenchem seus dados, como nomes de usuário, senhas, números de cartões, etc. Em posse destes acessos, os golpistas conseguem roubar dinheiro, obter informações confidenciais, entre outros crimes.

Esse golpe funciona mais do que imaginamos. De acordo com uma pesquisa da KnowBe4, empresa de segurança da informação, foi identificado que 38% dos funcionários de empresas de diversos setores caíram em simulações de phishing.

No mercado das criptomoedas, os criminosos cibernéticos costumam aplicar golpes de phishing no intuito de obter o acesso à carteira digital do usuário, de modo que eles consigam transferir todos os Bitcoins ou outras moedas digitais para suas próprias contas. Como as transações das criptomoedas acontecem de forma confidencial, não é possível rastrear o criminoso.

 

 

Por isso, ao lidar com investimentos, é preciso redobrar a atenção para não ser roubado. Quando você receber uma mensagem da corretora ou carteira online que você tem uma conta, por exemplo, confira o remetente, o título da mensagem e seu conteúdo. Nunca clique em um link sem antes descansar o mouse em cima para identificar se a URL é suspeita.

LEIA TAMBÉM:  Veja 3 criptomoedas que podem gerar mais lucros que o Bitcoin

Muitas vezes, por se tratarem de fraudes, estas mensagens contém links estranhos, erros de ortografia e uma identidade visual diferente da empresa. Porém, também existem hackers profissionais que disfarçam muito bem. Logo, sempre duvide de mensagens em tom de urgência e ameaça, como “clique e acesse sua conta agora para que ela não seja desativada”. Não responda o e-mail, e, sempre que possível, entre em contato com a empresa pelos canais oficiais para verificar a veracidade da mensagem recebida.

 

FUD: desinformação e medo generalizado

O FUD é uma sigla bastante utilizada no campo do marketing, e significa “fear, uncertainty and doubt” (tradução: medo, incerteza e dúvida). Essa técnica, que também passou a ser aplicada no universo das criptomoedas, representa a disseminação de notícias e boatos falsos, que foram criados com o intuito de causar medo e uma determinada movimentação no mercado com alguma intenção por trás. O FUD, que afeta a decisão de compra dos consumidores, já prejudicou diversas empresas e serviços ao longo das últimas décadas.

A partir de notícias sensacionalistas, muitas pessoas podem ser influenciadas a tomar alguma decisão baseadas no medo gerado por tal informação. Como exemplo no caso do mercado de criptomoedas, podemos citar notícias falsas que descredibilizam uma determinada moeda, no intuito de afetar seu valor. Ao fazer com que inúmeros investidores sintam medo e vendam essa moeda digital, seu preço cai drasticamente.

O pânico causado vem de informações e dados sensacionalistas de diversos portais noticiando que é o fim de certa moeda digital, fazendo com que as pessoas acreditem realmente na previsão. Às vezes, por esses avisos virem de especialistas do mercado financeiro, é mais fácil ainda que as pessoas caiam no golpe. Também vimos casos de notícias falsas sobre proibições das moedas digitais por parte de determinados governos, causando a venda em massa das criptomoedas nesses países. Normalmente a intenção do FUD é influenciar na cotação de um certo ativo, ou prejudicar o mercado de criptomoedas como um todo – neste último caso, normalmente a ação vem de defensores dos investimentos tradicionais.

Por isso, é importante acompanhar portais de grande credibilidade no mercado com frequência, além de ter o hábito de fazer pesquisas aprofundadas. Outra dica importante é manter contato com outros investidores em fóruns e grupos de conversa. Com grande conhecimento e um olhar apurado, é sempre mais fácil discernir uma notícia real de uma notícia falsa, e não ter seus investimentos influenciados por grupos mal-intencionados.

LEIA TAMBÉM:  Vale a pena comprar ações para receber dividendos?

 

Cursos online: muita promessa, pouca entrega

Na internet, podemos encontrar diversos cursos e workshops acerca dos mais variados assuntos. Muitos desses materiais são valiosos e nos trazem bons conhecimentos. Por outro lado, também corremos o risco de nos depararmos com conteúdos superficiais que não são tão úteis assim.

Na área financeira de uma forma geral, existem especialistas e influenciadores que prometem ensinar tudo que aprenderam com a própria experiência no mercado, mas nem sempre isso é verdade. Alguns desses cursos podem ser propaganda enganosa. Nesses casos, você pode até realmente receber o material, sejam vídeos ou e-books, ao pagar pelo curso. Porém, o conteúdo é de baixa qualidade e não entrega tudo que prometeu.

Comprar um curso online pode ser muitas vezes vantajoso, trazendo um bom retorno quando fazemos na prática o que foi ensinado. Mas fique atento para não gastar dinheiro com dicas rasas, poucos detalhes e informações que podem ser encontradas em qualquer lugar.

Por isso, ao buscar por um curso, tome cuidado com promessas exageradas de dicas eficazes de investimentos e garantias de lucros exorbitantes em pouco tempo. Lembre-se sempre que o mercado das finanças e das criptomoedas exige tempo e esforço, não existindo uma receita secreta infalível.

 

Conclusão

Agora que você está por dentro das fraudes mais comuns, vai ficar mais fácil ter discernimento para se proteger de hackers, golpes e propagandas enganosas. Não esqueça que quando estamos lidando com finanças, é sempre preciso muita atenção.

Sendo assim, também é importante seguir outras regras básicas de segurança para defender suas criptomoedas. Faça backups com frequência, armazene senhas de forma segura, escolha carteiras digitais e empresas de exchange confiáveis e tome muito cuidado ao compartilhar informações em conversas ou fóruns. Aproveite todas essas dicas para fazer seus investimentos com tranquilidade e segurança, e desfrutar de todos os benefícios das moedas digitais.

 

 

Inscreva-se
Notificar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments