Empresário brasileiro detalha como perdeu seus bitcoins em golpe

Empresário brasileiro detalha como perdeu seus bitcoins em golpe

(Foto: Arquivo Pessoal)

Zero dólar. Há um ano, foi esse o saldo que o empresário Renato Varela encontrou na sua carteira de criptomoedas assim que chegou em casa, vindo de uma viagem de negócios. Onde antes reluziam 10 bitcoins , o valor era nulo. Um traço. Nada. “O cara usou a minha conta e os meus recursos para comprar moedas dele”, lembra Varela. “Foi uma jogada de hacker mesmo, chorei de fato, fiquei muito arrasado.”

Havia quase dois anos que esse brasiliense de 36 anos fazia holding (ato de guardar os bitcoins pensando no longo prazo). Dos 20 bitcoins de lucro, metade ele havia tirado em reais para investir em outras fontes de renda, metade deixara na wallet para continuar investindo. “Na época do roubo, julho de 2017, os 10 bitcoins equivaliam a uns R$ 270 mil, mas dali a cinco meses eu poderia ter chegado a R$ 700 mil”, contabiliza Varela.

Seu envolvimento com as criptomoedas começou em 2016, depois que um amigo o apresentou a uma pirâmide financeira, a AirBitClub. Sites especializados no assunto e vídeos de YouTube o fizeram se deslumbrar com o potencial do investimento.

Sob críticas da irmã e sócia (os dois são donos de uma empresa de eventos), mas apoiado pela mulher, ele vendeu o único bem que o casal tinha — um automóvel Nissan Sentra modelo 2013/2014, no valor de R$ 40 mil — e colocou todo o dinheiro em criptos.

Nos primeiros seis meses de trade, Varela perdeu bastante. “Eu era sardinha, muitas vezes entrava na alta e vendia na baixa”, afirma. Passou a se dar conta de que precisava “holdar”. Apostar e esperar, enfim.

Quando viu o projeto da Waves, chamou o cunhado. Disse a ele que o desenvolvedor daquela moeda (o físico russo Sasha Ivanov) era uma cara ativo na rede, “sempre dava boas notícias”. A Waves podia explodir, valia a pena investirem juntos.

O cunhado, no entanto, refugou. Cerca de um ano e meio depois, o empresário conseguiu quase 20 vezes o valor que aplicou. “Devo ter feito nela mais de R$ 300 mil”, recorda. Naquele ponto, estava no auge dos seus ganhos. Daí […]

LEIA TAMBÉM:  MP processa quatro empresas por suspeita de pirâmide financeira na Paraíba

 

Inscreva-se
Notificar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments