Minerworld: Justiça penhora valores que os réus podem receber para pagar vítimas

  • por
Minerworld: Justiça penhora valores que os réus podem receber para pagar vítimas

A Justiça de Campo Grande (MS) determinou que todos os valores que os réus do caso de pirâmide financeira Minerworld “têm ou venham a ter” estão penhorados desde já, conforme decisão publicada no final de julho.

Os réus Cícero Saad Cruz, Jonhnes de Carvalho Nunes e a empresa de informática BitOfertas têm processos contra três empresas: uma do ramo de móveis, o Facebook e também uma lanchonete, respectivamente.

O pedido de penhora foi realizado pelo juiz titular da 2ª Vara de Direitos Difusos Coletivo e Individuais Homogêneos de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho, e, de acordo com o processo, o valor do empenho é de R$ 13.636.363,00, segundo publica no site local Midiamax .

Cícero Saad Cruz, um dos ‘cabeças’ da suposta organização criminosa, tem um processo em andamento contra a empresa LL Móveis Planejados e Iluminação LTDA, na 8ª Vara Cível de Campo Grande. O valor da ação é de R$ 81.520,14.

No ano passado, Saad contratou a empresa citada para instalar móveis em uma residência, mas não recebeu o serviço mesmo tendo pago, na ocasião, R$ 50 mil. Do processo, o juiz da 2ª Vara reivindica o valor que o ‘empresário’ “tem ou venha a ter” a receber.

Já no caso de Jonhnes de Carvalho Nunes, suposto mentor do crime financeiro que fez milhares de vítimas pelo Brasil e pelo mundo, o pedido de penhora refere-se a uma ação do réu contra a empresa Facebook Serviços Online do Brasil LTDA.

Nunes pede uma reparação por conta de denúncias realizadas na página de um grupo chamado GAP – Grupo Anti Pirâmide, autor de inúmeras publicações contra a Minerworld em 2017. À causa, segundo o Midiamax, foi atribuído o valor de R$ 1 mil.

Outro processo que entrou para a petição de penhora do juiz Gomes Filho, e que corre na 13ª Vara Cível de Campo Grande, é de uma ação da BitOfertas Informática LTDA (supostamente gerenciada pelos réus). A empresa abriu uma causa contra a pessoa jurídica Raimundo Marcos Souza Santos (Texas Lanches).

A Bit Ofertas alega que fez um depósito erroneamente em uma conta da pessoa jurídica no valor de R$ 15.622,20, quando […]

LEIA TAMBÉM:  A batalha das criptomoedas contra os bancos

 

Inscreva-se
Notificar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments