Qualidade e segurança alimentar: por que escolher cafés certificados pela ABIC?

Esta postagem foi atualizada em 26 de março de 2021

Rio de Janeiro 23/10/2020 – A ABIC busca transformar a indústria cafeeira, gerar credibilidade ao produto, transmitir conhecimento para o público e estimular o consumo do café de qualidadeDesenvolvidos pela Associação, os programas de certificação atestam a pureza e a qualidade do produto, garantindo confiança para o consumidor

O café é um item essencial na mesa de todos os brasileiros, seja para dar energia na parte da manhã ou concentração no final da tarde. Porém, é necessário ter cuidado na hora de escolher a marca que será consumida. Durante o processo de colheita dos frutos, impurezas como cascas, pedaços de folhas e sujeiras podem se juntar ao grão, e é necessário um controle rigoroso na aquisição da matéria-prima e na industrialização para não comprometer a qualidade final da bebida.

Com o intuito de garantir respeito e confiança para o consumidor e, ainda, valorizar o trabalho de empresas comprometidas com a qualidade do produto final, a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) criou os Selos de Certificação.

O primeiro, desenvolvido em 1989, foi o Selo de Pureza, que atesta se a mercadoria é pura, sem impurezas ou adulterações, oferecendo segurança alimentar e impedindo irregularidades. Em 2004, foi lançado o Selo de Qualidade, responsável por certificar a categoria de qualidade do café, assim como a consistência do produto final através de uma metodologia de análise sensorial, que classifica os cafés em quatro categorias de qualidade: Extraforte, Tradicional, Superior e Gourmet.

Outra importante iniciativa da ABIC é o Programa Cafés Sustentáveis do Brasil, que valida produtos que utilizam cafés de fazendas certificadas quanto a sustentabilidade e preservação do meio ambiente. Garantindo rastreabilidade desde a produção até a industrialização, auditando as marcas quanto às boas práticas sustentáveis. Além disso, a Associação também desenvolveu o Programa de Certificação de Cápsula, que verifica a intensidade da bebida, e o Programa Círculo do Café de Qualidade, que certifica casas de café, cafeterias e pontos de café.

LEIA TAMBÉM:  Como a TV provoca e altera hábitos na sociedade brasileira

Reconhecimento internacional

A ABIC é reconhecida nacional e internacionalmente pelo seu pioneirismo em programas de certificação. Antes de serem implementados, mais de 30% das marcas analisadas burlavam a legislação ou continham impurezas além do limite de tolerância permitido. Atualmente, menos de 5% são impuras ou adulteradas, e elas representam apenas 1% do volume comercializado no mercado interno.

“O objetivo da ABIC é transformar a indústria cafeeira, gerar credibilidade ao produto, transmitir conhecimento para o público e estimular o consumo do café de qualidade. Os excelentes resultados obtidos com os Selos de Certificação são uma demonstração clara de que exercer a autorregulamentação é vantajoso. Para o consumidor, é importante pois viabiliza segurança alimentar. Já para as marcas, ele atesta a qualidade e a seriedade do trabalho. Toda a cadeia sai ganhando”, afirma Celírio Inácio, Diretor Executivo da ABIC.

Segurança Alimentar

Ao comprar cafés que não possuem o selo de certificação da ABIC, o consumidor coloca a sua saúde em risco. Algumas empresas o fraudam adicionando outros produtos à sua composição, antes do processo de torrefação. O pó, resultante da moagem do grão, possui cor e textura que torna imperceptível o reconhecimento de impurezas, detectadas apenas com aparelhos e métodos especiais. Escolher cafés com certificação significa consumir uma bebida sem nenhum tipo de adulteração.

Para que irregularidades desse tipo sejam evitadas, é necessário que os supermercados e estabelecimentos comerciais também adiram a esse sistema de controle. Os consumidores não correrão o risco de comprar cafés impuros se esses produtos não estiverem dispostos nas gôndolas.

Responsabilidade e controle

Para manter um monitoramento rígido sobre as marcas associadas, a ABIC realiza mais de 5.000 análises por ano. As amostras são coletadas nos pontos de venda por auditores independentes, codificadas e analisadas em laboratórios credenciados, garantindo total isenção do processo. Os programas só certificam produtos que estejam de acordo com os parâmetros exigidos.

LEIA TAMBÉM:  Como transformar os sistemas alimentares para garantir a segurança alimentar e dietas saudáveis para todos

As empresas associadas que tiverem seus cafés detectados como impuros sofrem processos administrativos, com penalidades que chegam à exclusão do quadro social. No caso de empresas não associadas, são enviadas as informações sobre as irregularidades para os órgãos competentes, como Ministérios Públicos, Anvisa e PROCON.

ABICAFÉ: atestando a qualidade antes do primeiro gole

O aplicativo ABICAFÉ, desenvolvido pela ABIC, permite que os usuários façam uma rápida consulta no momento da compra justamente para saber se o produto que eles pretendem adquirir é certificado e atende os padrões exigidos de pureza e qualidade. Ele já está disponível nas plataformas Android e IOS. Através da tecnologia, é possível conhecer os programas de certificação da entidade e ter acesso às informações sobre o perfil de sabor, que descreve atributos como aroma, bebida, torra e corpo.

Website: https://www.abic.com.br/

Inscreva-se
Notificar sobre
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments